A jornalista Luana Avedis, querida discípula, a cada semana, transforma as pregações de nossos cultos dominicais, a partir de suas próprias impressões da mensagem, em rápidos esboços para utilização em nossos Grupos Pequenos, que chamávamos, Grupos de Amor e Aliança. Eu os exponho, aqui no Blog, em forma de série, sob o titulo de ESBOÇO PARA GRUPOS PEQUENOS, seguido do tema, para você, se quiser, utilizar em reuniões de estudo, em qualquer lugar.

Bom proveito.

Por Jesus e pelo Seu Reino,

Edney Melo

Referência Bíblica: II Crônicas 20.1-30

Versículos de apoio: 33 e 35 

Título: O Outro Tipo de Batalha

Pregador: Pr. Edney Melo

1E sucedeu que, depois disto, os filhos de Moabe, e os filhos de Amom, e com eles outros dos amonitas, vieram à peleja contra Jeosafá. 2Então vieram alguns que avisaram a Jeosafá, dizendo: Vem contra ti uma grande multidão dalém do mar e da Síria; e eis que já estão em Hazazom-Tamar, que é En-Gedi. 3Então Jeosafá temeu, e pôs-se a buscar o SENHOR, e apregoou jejum em todo o Judá. 4E Judá se ajuntou, para pedir socorro ao SENHOR; também de todas as cidades de Judá vieram para buscar ao SENHOR. 5E pôs-se Jeosafá em pé na congregação de Judá e de Jerusalém, na casa do SENHOR, diante do pátio novo. 6E disse: Ah! SENHOR Deus de nossos pais, porventura não és tu Deus nos céus? Não és tu que dominas sobre todos os reinos das nações? Na tua mão há força e potência, e não há quem te possa resistir. 7Porventura, ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo Israel, e não a deste para sempre à descendência de Abraão, teu amigo? 8E habitaram nela e edificaram-te nela um santuário ao teu nome, dizendo: 9Se algum mal nos sobrevier, espada, juízo, peste, ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois teu nome está nesta casa, e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás. 10Agora, pois, eis que os filhos de Amom, e de Moabe e os das montanhas de Seir, pelos quais não permitiste passar a Israel, quando vinham da terra do Egito, mas deles se desviaram e não os destruíram, 11Eis que nos dão o pago, vindo para lançar-nos fora da tua herança, que nos fizeste herdar. 12Ah! nosso Deus, porventura não os julgarás? Porque em nós não há força perante esta grande multidão que vem contra nós, e não sabemos o que faremos; porém os nossos olhos estão postos em ti. 13E todo o Judá estava em pé perante o SENHOR, como também as suas crianças, as suas mulheres, e os seus filhos. 14Então veio o Espírito do SENHOR, no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe, 15E disse: Dai ouvidos todo o Judá, e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Jeosafá; assim o SENHOR vos diz: Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão; pois a peleja não é vossa, mas de Deus. 16Amanhã descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz, e os achareis no fim do vale, diante do deserto de Jeruel. 17Nesta batalha não tereis que pelejar; postai-vos, ficai parados, e vede a salvação do SENHOR para convosco, ó Judá e Jerusalém. Não temais, nem vos assusteis; amanhã saí-lhes ao encontro, porque o SENHOR será convosco. 18Então Jeosafá se prostrou com o rosto em terra, e todo o Judá e os moradores de Jerusalém se lançaram perante o SENHOR, adorando-o. 19E levantaram-se os levitas, dos filhos dos coatitas, e dos filhos dos coratitas, para louvarem ao SENHOR Deus de Israel, com voz muito alta. 20E pela manhã cedo se levantaram e saíram ao deserto de Tecoa; e, ao saírem, Jeosafá pôs-se em pé, e disse: Ouvi-me, ó Judá, e vós, moradores de Jerusalém: Crede no SENHOR vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas, e prosperareis; 21E aconselhou-se com o povo, e ordenou cantores para o SENHOR, que louvassem à Majestade santa, saindo diante dos armados, e dizendo: Louvai ao SENHOR porque a sua benignidade dura para sempre. 22E, quando começaram a cantar e a dar louvores, o SENHOR pôs emboscadas contra os filhos de Amom e de Moabe e os das montanhas de Seir, que vieram contra Judá, e foram desbaratados. 23Porque os filhos de Amom e de Moabe se levantaram contra os moradores das montanhas de Seir, para os destruir e exterminar; e, acabando eles com os moradores de Seir, ajudaram uns aos outros a destruir-se. 24Nisso chegou Judá à atalaia do deserto; e olharam para a multidão, e eis que eram corpos mortos, que jaziam em terra, e nenhum escapou. 25E vieram Jeosafá e o seu povo para saquear os seus despojos, e acharam entre eles riquezas e cadáveres em abundância, assim como objetos preciosos; e tomaram para si tanto, que não podiam levar; e três dias saquearam o despojo, porque era muito. 26E ao quarto dia se ajuntaram no vale de Beraca; pois ali louvaram ao SENHOR. Por isso chamaram aquele lugar o vale de Beraca, até ao dia de hoje. 27Então voltaram todos os homens de Judá e de Jerusalém, e Jeosafá à frente deles, e tornaram a Jerusalém com alegria; porque o SENHOR os alegrara sobre os seus inimigos. 28E vieram a Jerusalém com saltérios, com harpas e com trombetas, para a casa do SENHOR. 29E veio o temor de Deus sobre todos os reinos daquelas terras, ouvindo eles que o SENHOR havia pelejado contra os inimigos de Israel. 30E o reino de Jeosafá ficou quieto; e o seu Deus lhe deu repouso ao redor.

A palavra pregada nos mostra que muitas de nossas batalhas são travadas com pessoas que foram criadas conosco, pessoas próximas, amigas. Você já parou para pensar como é difícil exortar um filho, chamar a atenção de um amigo ou de um familiar? A questão é que, um dia, de tanto tolerarmos “certas coisas” que confrontam o evangelho, elas se voltarão contra nós mesmos. Josafá errou algumas vezes, como ditam os versículos 33 e 35, e acabou tendo que arcar com as consequências de seus erros. Se não combatermos o que precisamos combater, se não tomarmos as atitudes certas, nos momentos certos, sofreremos futuramente.

O texto também nos expõe o medo de Josafá quando soube do exército que vinha contra ele. Por muitas vezes, isso acontece com os discípulos de Jesus também. Deixamos-nos levar pelo medo e passamos a não confiar nas providências do Senhor. O medo nos leva a tomar decisões precipitadas e quando percebemos, deixamos de escutar a voz de Deus para escutar a voz dos outros, agindo por conta própria. Nos momentos de tribulação, devemos procurar um lugar seguro, de paz e tranquilidade: a Casa do Senhor.

As armas que o diabo usa contra nós são as nossas fraquezas. O que o inimigo quer é nos desestruturar, nos tirar a firmeza de quem somos: Filhos de Deus. O medo de Josafá foi o seu pior inimigo. Nós precisamos parar de tentar encontrar forças onde não temos e entregar a Deus os nossos problemas. Ele sempre será o nosso melhor refúgio e lutará em nosso favor quando as batalhas não forem nossas.

Reflita:

Por quanto tempo mais você vai abrigar em sua casa, família, ou trabalho, o que você não deveria refugiar?

LUANA AVEDIS

20120703-121128.jpg

Anúncios